saltar menu
Artigo do nosso parceiro Ultimate Beauty

Cabelo e Maquilhagem

Maquilhagem protetora

As novas fórmulas que protegem das radiações solares

Maquilhagem protetora

As marcas de cosmética estão a apostar em produtos que a protegem das agressões externas, em particular dos raios ultravioleta, para que a maquilhagem seja também o seu escudo protetor. Depois do verão, caímos na tentação de não proteger a pele do sol. Erro crasso, daí a necessidade de uma prevenção atempada.

«Embora a proteção solar seja mais importante na época estival, porque para além de haver mais horas de sol, este entra na atmosfera de uma forma mais vertical e os raios ultravioletas não são tão absorvidos pelas camadas de ozono», como explica o dermatologista Miguel Trincheiras, a exposição solar, mesmos nos meses mais frios, continua a danificar a pele. «Mesmo em períodos de fraca insolação, algumas partes do corpo como a face, pescoço e mãos estão constantemente descobertas e em contacto com a radiação solar», salienta o especialista.

A maioria dos dermatologistas está de acordo. A proteção deve ser a base dos cuidados faciais durante todo o ano e, como tal, os protetores solares devem ser um complemento imprescindível aos restantes tratamentos. Mas para que não tenha de aplicar mais um produto durante o seu ritual de beleza diário, têm surgido no mercado produtos de maquilhagem dois em um, tais como bases, batons e corretores com proteção solar.

A marca Dior foi uma das pioneiras ao lançar uma linha de maquilhagem anti-idade com proteção solar. O segredo? Associar fatores de proteção solar a princípios ativos, como o retinol (estimula a produção de colagénio), vitaminas (nutrem a pele), antioxidantes (combatem os radicais livres e a oxidação celular) e o ácido hialurónico (hidrata em profundidade). A maquilhagem com proteção solar é, por isso, a opção mais segura para cuidar da sua pele.

15 ou 20 no mínimo?

Para a Organização Mundial de Saúde, o fator de proteção solar mínimo recomendado é o 15, mas Miguel Trincheiras, dermatologista, prefere referenciar o 20. De acordo com o especialista, o factor de proteção a ser usado depende do fototipo (pigmentação de base e capacidade inata de se defender da radiação) mas é consensualmente admitido que deverá ser, no mínimo, de 20.

Além disso, os fototipos mais baixos (de pele clara) devem usar um fator de proteção 50+, bem como a maioria das pessoas em períodos de maior incidência solar. Atualmente, existem protetores solares considerados dispositivos médicos que devem ser usados por fototipos muito claros e em pessoas com antecedentes de lesões cutâneas foto-induzidas.

Veja na página seguinte: A pele da boca e o seu contorno

Comentários

pub

parceiros